Quinta-feira, 27 de Setembro de 2007
a procura do Ser

Que o mundo gire

Que a bola ande

Que caia e se levante

Que vá e que venha  

Que olhe para lá e para cá

E desande como só ela sabe desandar

 

São momentos únicos que procuramos

Que nos encontremos pois ao luar

Nas noites quentes de Agosto.

Sem medo de ser o que somos

Ao descamisar uma espiga de milho

 

Que sejamos iguais a nós mesmos

Que nos encontremos no beijo

 fugidio que damos

A quem encontra a espiga Vermelha

Que sejamos felizes por momentos

Momentos quentes que queremos

Que guardamos para sempre.

 

Que o mundo ande

Que tu caminhes

Pelo caminho do ser

Que sejas pois o luar que é belo

O sol que aquece ao mundo

A estrela mais bela do ar

Ou a bola que roda e que ri.

 

 

   

 

publicado por sociolocaminhar às 21:29
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 17 de Setembro de 2007
Não sei quantas almas tenho

 

Fernando Pessoa

 

Não sei quantas almas tenho

 

Não sei quantas almas tenho.
Cada momento mudei.
Continuamente me estranho.
Nunca me vi nem acabei.
De tanto ser, só tenho alma.
Quem tem  alma não tem calma.
Quem vê é só o que vê,
Quem sente não é quem é,

Atento ao que sou e vejo,
Torno-me eles e não eu.
Cada meu sonho ou desejo
É do que nasce e não meu.
Sou minha própria paisagem;
Assisto à minha passagem,
Diverso, móbil e só,
Não sei sentir-me onde estou.

Por isso, alheio, vou lendo
Como páginas, meu ser.
O que sogue não prevendo,
O que passou a esquecer.
Noto à margem do que li
O que julguei que senti.
Releio e digo :  "Fui  eu ?"
Deus sabe, porque o escreveu.
 

 

publicado por sociolocaminhar às 18:40
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Sábado, 15 de Setembro de 2007
Para meditar

 

É sem duvida verdade que nos encontramos a viver momentos únicos que a humanidade nunca antes experimentou.

Em teoria podemos escolher a vida que vivemos.

O emprego que queremos

O livro que lemos.

Enfim tudo parece depender da nossa vontade.

Ou da nossa mais intima necessidade.

Mas será que este momento particular do mundo e do humano, o estado da liberdade .

É o estado final da humanidade?

O bem  finalmente alcançado?

A maravilha que o homem novo sente por conformidade?

O fim geral da humanidade?

Será que o bem finalmente alcançado é isto que encontramos ao abrir um jornal?

Ao ligar o televisor e até na musica que ouvimos?

Estereotipada , feita em função das estatísticas, de quantos ouvintes ou  leitores vamos ter.

 Será que os brinquedos com que brincamos , as coisas que comemos e o que fazemos é de facto o que verdadeiramente queremos?

Será que finalmente o paradigma de George Wells , nos apanhou nas esquinas do mundo indefesos perante o espectáculo da vida e do mundo?

Será que o caminho verdadeiro ao encontro do futuro deixou de ter sentido?

Será que finalmente chegamos ao fim da historia ?

Estarei louco eu, que vejo  que nunca uma Sociedade foi tão controlada , tão comandada , tão sem alternativas.

E que todo o resto do mundo está conforme com o que deve ser a própria vida ?

Que diabo, por anda toda a inteligência Humana ?

Será que inteligência humana é só invenções tecnológicas , Ir a Lua e conhecer a composição do planeta mais longincuo do nosso ?

Será que é possível a vida, neste continuo de liberdade infinita que nos controla a  a alma e nos impede de pensar ?

Será que: liberdade é um conceito de que nos temos de libertar, para poder compreender que a vida é mais que o que os homens livres podem imaginar?

Liberdade é Poder ser diferente !

Pensar de modos diversos!

Ser gente !

Mas como podemos ser simultaneamente livres e gente, se o espaço de liberdade que construímos nos conduz  à  unificação do pensamento?

Parece-me que assistimos a mais uma transição do ser humano

De Homo Sapiens para homem Uno.

Porém não gosto deste novo Homem emergente

Parece-me um homem apático , que consome tudo o que lhe oferecem sem discutir

Que escreve o que lhe dizem para escrever , que lê tudo o que lhe dão para ler  

Enfim um homem novo

Em homem que sabe ler ,mas não lê ?

Que pode pensar mas não pensa.

Um homem moldado finalmente.

Homem de papel.

Homem finalmente com poder que não sabe usar.

Será mesmo que falo da humanidade ?

 

 

publicado por sociolocaminhar às 02:46
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Quarta-feira, 12 de Setembro de 2007
Encontro com o Mundo

Sabemos que nos encontramos aqui.

Que caimos subitamente , num Mundo em mudança

que não percebemos. 

Vivemos a uma velocidade não mensuravel.                                                                                                                                   

Na procura insessante de fugir de nós mesmos

Da nossa sensibilidade

Descobrimos subitamente que somos

parte do universo em transformação

Poetas, Pintores , ciêntistas ,Pensadores do Social

Tanto conhecimento para quê?

 

Se não somos simplesmente capazes de abraçar uma arvore

e de nos deliciarmos com o beijo de uma flor.

Com o prazer simples de olhar o infinito

Caminhamos , simplesmente  acelerados

para o estrondoso impacto sobre o planeta Terra .

 

 

 

publicado por sociolocaminhar às 11:56
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Segunda-feira, 10 de Setembro de 2007
Sentir!...Sentir!... A beleza em cada coisa que tocamos

O que fazer com as imagens que nos maravilham?

Mete-las num bolso e guarda-las como algo precioso

Que queremos guardar eternamente junto a nós?

Deita-las ao mar e deixa-las vaguear sobre as ondas?

Entrega-las ao vento que passa e nos transporta

Para a leveza do ser?

Olha-las simplesmente?

Partilha-las com o mundo todo?

Mas como partilhar os sentimentos

Que sentimos de formas diversas?

As imagens que sentimos são momentos únicos

Que só cada um pode guardar na memoria

 Imagens de momentos particulares

Do mundo e de si.   

Logo não partilháveis, enquanto não descodificadas.

 Imagens outras.

 Os sentimentos puros não são transmissíveis.

Porque imagens de nós enquanto seres únicos.

Com sentidos diferente da vida e do mundo.

 O  que fazer então com as imagens que sentimos ?

Simplesmente deixar a beleza toda penetrar o teu ser.

E sentir!.. Sentir!.. a beleza em cada coisa que tocamos.

 

publicado por sociolocaminhar às 02:16
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 7 de Setembro de 2007
Pelo caminho de nós mesmos
pelo caminho de nós mesmo , vamos .
Vamos!Vamos! Vamos  sempre!...
Para onde, não sabemos .
Mas vamos , vamos e continuamos a ir .
sempre a sorrir, vamos !...
partir ,ou não partir ?
Ficar ou não ficar ?
ser ou não ser ?
No que desconhecemos fazendo.
tudo num sorriso abrir .
 As pedras a brilhar
Os putos a jogar
Os homens a nadar
As castanhas para apanhar .
importante importante, é criar.
A beleza nas coisas por que passamos.
Pensamos , pensamos e vamos .
Vamos! Vamos!Vamos sempre!...
Para lá , para cá .
De lá para cá , e de novo para lá
Em tudo o que tocamos qualquer coisa alteramos
Vamos pois continuar a ser o que somos
Na certeza que sendo.
Somos o  nós mesmos.











publicado por sociolocaminhar às 00:11
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Segunda-feira, 3 de Setembro de 2007
O Coelhinho Drogado

 

Era uma vez um coelhinho que andava a passear no campo quando viu dois elefantes. Ao cruzarem-se começaram a falar. O resumo do diálogo entrontra-se aqui em baixo:


Conversa entre o coelhinho e os dois elefantes:

C: Vocês estão a fumar um charro!
E1: Tb queres coelhinho?
C: ...
E2: Olha que este é dos bons...
C: Venha!
(ao fim de 5 minutos)
C: Não sinto nada...
E1, E2: Vamos enrolar um mais forte.
(depois de enrolar)
E1: Toma lá coelhinho... Está muito bruto.
(ao fim de 5 minutos)
C: Não sinto nada...
E2: Epah... este coelhinho já me está a enervar... vamos enrolar o maior charro da história!
(depois de enrolar)
E1: Epah... eu não me responsabilizo pelo coelhinho agora... se ele morrer não me apareçam os restantes coelhos a chatear... Toma lá coelhinho.
(ao fim de 10 minutos)
C: Não sinto nada... ... não sinto as pernas, não sinto os braços, não sinto a cabeça,...
publicado por sociolocaminhar às 21:22
link do post | comentar | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Maio 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.posts recentes

. ...

. Que valores valores

. para todos os que ainda ...

. A ética e a Moral

. Para reflectir

. Bases principais do Pensa...

. Não permitam o "Afundamen...

. A construção a Humana , ...

. Para Reflectir

. Para obter um milhao e qu...

.arquivos

. Maio 2016

. Junho 2015

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Abril 2011

. Agosto 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Junho 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favoritos

. caminhos

. Coisas do sempre e do nu...

. Percursos

. Não podia ser quem Sou

. Da Ribeira da minha terr...

. Prazer ou Nostalgia

. lazer

. Memorias ...

. O Poema e a Musica

. Apareço assim de mansinho

.contador
HTML Counter
Hit Counters
blogs SAPO
.subscrever feeds