Quinta-feira, 28 de Junho de 2007
Conjunto de ideias

Conjunto de ideias

 

O porquê da crise portuguesa e da sua perenidade

 

Ao longo do seu trajecto histórico ,Portugal foi fantasiando uma história de falsos processos identitários

Acreditou como  seus os feitos  que foi idealmente criando e ,de percurso em percurso foi caminhando de ilusão em ilusão , criando e escrevendo uma história que sendo sua, não se encontra ancorada  na força de um povo, nem no daqueles que pretenderam pelo sonho, criar um pais ,uma comunidade e um Estado soberano,Na parte mais ocidental da Europa .

Esta realidade foi assim criada ,a partir de um ideal para o qual, contribui-o o facto de existir um povo que soube  criar uma identidade linguística , religiosa  e cultural que lutou e sonhou com uma pátri, na qual se assumisse enquanto nação

Porem .desde cedo. esta nação se defrontou com a necessidade de por um lado ,lutar pela independência do território, da língua e da cultura . e por outro de fazer as alianças que o momento lhe impunha.

Tornou-se assim, uma nação dividida  e ao sabor das vontades das potências da altura.

Desde cedo ,também ,esta nação se dividiu entre as elites e o povo real

 Se no povo era forte ,esta vontade de ser e de se tornar capaz de manter esta língua, esta cultura,  este modo de ser português.

Para as elites , o que sempre se mostrou importante, foi manter o seu estado de nobreza ou mais tarde de burguesia , com os seus privilégios e mordomias

Esqueceu-se do povo, daqueles que com o seu trabalho intenso ,desbravaram as matas e fizeram nascer alimentos, nos sítios mais incríveis do espaço nacional.

Passo a passo se foi construindo um pais dualista , o dos senhores feudais e do povo oprimido e sem capacidade de decisão ou de opinião

Se alguns, ousaram sonhar  com uma nação total, outros  a única coisa que pretenderam foi fazer as alianças que lhe permitiram manter os privilégios de família  ou a conquista  de terras para os seus domínios.

Tempos difíceis em que  juntos fomos construído ,neste recanto uma pátria conquistada com a luta de um povo inteiro para  o proveito de uns quantos.

Enquanto pais rural , o espaço das fronteiras, tornou-se insuficiente para  acolher um povo que crescia

 Com poucas terras agrícolas  de boa qualidade  e sem instrumentos de tecnologia que lhe permitissem aumentar a produtividade da terra e com   uma inadequada divisão da terra arável,  tornou-se demasiado pequeno para manter o sonho de uma nação independente

Olhou então o mar  e   ousou sonhar com o distante  e com o desconhecido e partiu em busca de novos mundos  e de novos horizontes,  onde pudesse crescer e desenvolver  a sua maneira particular de ser

E encontrou homens de ciência  e de saber cientifico e técnico que souberam criar as condições para tornar o sonho realidade

É no entanto também este o momento decisivo para  o virar da história de uma nação que nunca mais foi capaz de ser una,  identitária e patriótica

Se por um lado foi digna dos grandes feitos históricos

Se foi capar de aproximar o mundo e de o tornar global

Foi incapaz de compreender que a grandeza de uma nação só se torna possível se todo um povo acreditar que o seu contributo para a historia  serve para modificar o seu modo de estar e de viver .

Porem o povo continuou pobre oprimido e sem horizontes

 É neste momento de viragem que todo o sonho da construção de uma identidade nacional se desmorona .

A descoberta de riquezas na africa na Ásia e nas Américas  ao invés de servir para desenvolver o pais de unir o povo em torno de uma nação que apesar de se constituir num pequeno espaço tinha dentro de si a força e a sabedoria capaz de a tornar na maior potência da Europa e do mundo .

Fez-se de egoísmos e de destruição da ideia de um pais que fosse capaz de manter a sua autonomia , o povo não melhorou a sua vida  e vendo toda a riqueza que aparecia vinda  dos novos mundos .

Partiu em busca do sonho que aqui nesta terra não se mostrava possível .

Partiu em busca do sonho que só noutras paragens pensava poder realizar

Neste percurso encontrou a facilidade com que tudo se realizava em qualquer outro lugar que não na sua terra e deixou de sentir o mesmo amor pela terra onde nasceu que já lhe não parecia sua

É este o momento , nesta escolha entre o difícil e o fácil que se abandona a ideia de uma pátria portuguesa onde o sonho seja possível

Esta sensação de não ser possível a felicidade neste recanto da terra faz partir para outras paragens aos milhares o povo deste canto do mundo

Enquanto uns partem em busca de outras paragens,  aqui  acumulam-se as dificuldades que empurram novas gentes para partir

E a facilidade com que o fazem é cada vez maior e corresponde cada vez mais ao descrédito que o que quer que seja, seja possível aqui

Já se não acredita que o importante seja a construção de um espaço de identidades de história e de lutas por um espaço de terra, onde se possa construir uma identidade e uma cultura capaz de auto afirmação

Agora o que interessa é  a riqueza  a fama e  a vida fácil que se pode encontrar em qualquer canto do mundo

Abandona-se a ideia de construção de um pais capaz de sobreviver e de acompanhar o progresso e acredita-se que o futuro esta ao virar da esquina

Desbarata-se as riquezas nos palácios e nas construções  que pretendem mostrar uma grandeza que é só aparência, uma vez que o progresso da técnica e da ciência parece já não fazer sentido .

Iludidos com as riquezas que se encontram na Américas  na África e na Ásia 

Tornamo-nos incapazes de pensar  o futuro , e deixamos fugir a riqueza e simultaneamente a inteligência 

E seguidamente fechamo-nos sobre nós  próprios numa ideia de grandeza eterna e mais uma vez esquecemos que  a história não espera por nós

Perdemos a oportunidade de acompanhar as técnicas mais modernas na agricultura

Enquanto simultaneamente nos tornamos dependentes dos desejos de potências estrangeiras que nos  impõem o que devemos fazer na agricultura e na pequena industria

Fazemos o que interessa aos povos estrangeiros e  de novo e quando as dificuldades surgem de novo partimos e partimos para uma qualquer paragem onde o sonho nos parece possível

Sem capacidade politica militar , económica  e sem sentido critico do mundo deixamos de ser o que fomos para passar a ser uma sociedade sem auto estima

Ficam os velhos os doentes e trazemos escravos para o lugar dos que partem

Mas partir por muito que se diga que a nossa terra é objecto de saudade

A realidade é que passa a ser a nossa casa de ferias

Um lugar onde nos sentimos bem de vez em quando e por pouco tempo

publicado por sociolocaminhar às 16:25
link do post | comentar | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Maio 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.posts recentes

. ...

. Que valores valores

. para todos os que ainda ...

. A ética e a Moral

. Para reflectir

. Bases principais do Pensa...

. Não permitam o "Afundamen...

. A construção a Humana , ...

. Para Reflectir

. Para obter um milhao e qu...

.arquivos

. Maio 2016

. Junho 2015

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Outubro 2011

. Agosto 2011

. Abril 2011

. Agosto 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Junho 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

.tags

. todas as tags

.favoritos

. caminhos

. Coisas do sempre e do nu...

. Percursos

. Não podia ser quem Sou

. Da Ribeira da minha terr...

. Prazer ou Nostalgia

. lazer

. Memorias ...

. O Poema e a Musica

. Apareço assim de mansinho

.contador
HTML Counter
Hit Counters
blogs SAPO
.subscrever feeds